Por que nos chamamos irmãos?

POR QUE NOS CHAMAMOS IRMÃOS?

 

Os seguidores de Jesus foram identificados por diferentes títulos no Novo Testamento: discípulos, santos, cristãos, seguidores do Caminho, irmãos. Este último tem sido adotado no seio da Igreja de Cristo com voluntariedade e riqueza de significado, por isso, devemos sempre refletir na sua origem bíblica e nas razões que nos fazem chamar alguém de “irmão” ou “irmã”, evitando o esvaziamento desta bela e espiritual forma de tratamento entre os cristãos.

Jesus ensina-nos que a submissão ao Pai torna os homens em irmãos, não importando a origem étnica, a ausência de ligação familiar ou a idade: “Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã…” (MATEUS 12:50). Assim, todo aquele que persevera em Cristo é irmão dos demais discípulos de Cristo, e só deixa de ser considerado irmão se deixa de servir a Cristo: “Mas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais” (I CORÍNTIOS 5:11).

Nós, discípulos de Cristo, somos irmãos porque buscamos viver como uma família, desejando sempre o fortalecimento dos nossos laços de comunhão. Irmãos em Cristo se importam uns com os outros (ROMANOS 14:21; I CORÍNTIOS 6:6; 8:12,13), vivem em amor (I JOÃO 3:14; 4:21), cuidam uns dos outros (TIAGO 2:15,16; 4:11), oram uns pelos outros (I TESSALONICENSES 5:25; II TESSALONICENSES 3:1), sacrificam-se uns pelos outros (I JOÃO 3:16) e até mesmo discordam entre si, quando necessário (II TESSALONICENSES 3:6).

Os líderes da Igreja de Cristo no 1º século, a exemplo de Paulo, Timóteo, Tito e Tíquico, também se tratavam como irmãos (II CORÍNTIOS 1:1; 2:13; EFÉSIOS 6:21), muitas vezes renunciando outros títulos que lhes cabiam. Esses líderes, ainda que valorizando a liderança constituída por Deus e eleita pela Igreja (ATOS 6:1-3), demonstraram que não queriam criar “castas” espirituais na Igreja, afinal, em Cristo, “não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos” (COLOSSENSES 3:11).

O compromisso vivo percebido entre os irmãos marcou o início da trajetória cristã de Saulo. Aquele que havia sido inimigo dos cristãos, agora, convertido a Cristo, foi aceito, amado e protegido como se faz com um irmão. Saulo foi transformado em irmão Saulo, e assim foi tratado por Ananias: “Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, enviou-me…” (ATOS 9:17). Pedro, em sua 2ª epístola, se referiu ao apóstolo como “nosso amado irmão Paulo” (II PEDRO 3:15). Em Damasco, os irmãos em Cristo ajudaram Saulo a fugir daqueles que queriam matá-lo (ATOS 9:22-25). Em Jerusalém, os irmãos decidiram acompanhar Saulo até Cesaréia, onde o enviaram de navio para Tarso, sua terra natal (ATOS 9:30). Ser chamado de irmão pelos servos de Jesus tornou-se um título honroso para Paulo.

Você tem valorizado a sua condição de irmão daqueles que também são filhos do Pai por meio de Jesus? Você tem marcado a vida dos seus irmãos por meio do seu testemunho, amor, zelo e compromisso permanentes? Isso é ser irmão!

Tarcísio Farias Guimarães

Pastor da Primeira Igreja Batista em Divinópolis (MG)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *