MÚSICA QUE FRUTIFICA

MÚSICA QUE FRUTIFICA

 

Você pode se surpreender ao longo do dia cantarolando insistentemente aquela musiquinha utilizada pela campanha de um candidato a cargo político. Enquanto se desloca para o local de trabalho, músicas cristãs podem te lembrar dos seus compromissos assumidos diante de Deus. A música que é tocada na loja de roupas cria um ambiente de empolgação e contribui para que os consumidores decidam comprar aquilo que veem. Lágrimas nos olhos e pulsação no coração denunciam que a música ouvida traz à sua memória momentos singulares do viver

A música pode auxiliar pessoas enfermas a se recuperarem em hospitais e pode ser utilizada como instrumento de dominação por um regime político totalitário. Pode transmitir mensagens indevidas acerca dos relacionamentos interpessoais e pode auxiliar no processo ensino-aprendizagem das escolas. Você escolhe o conteúdo da música que produz ou consome.

No contexto das igrejas cristãs evangélicas, temos percebido há anos que a música tem sido instrumento poderoso de ensino e adoração a Deus, mas também tem sido utilizada para suscitar conflitos. Fica, então, para nossa reflexão, a seguinte questão: quais frutos têm sido gerados pela música em nossa Igreja e, por consequência, em nossas vidas?

“Cantai-lhe um cântico novo; tocai bem e com júbilo” é o convite do salmista para os justos, aqueles que louvam ao Senhor com harpa, cânticos e saltério de dez cordas (SALMOS 33:2,3). Portanto, é preciso reconhecer que a música deve, antes de tudo, exaltar a Deus. Ele é o Deus da música! Essa música deve refletir a devoção e a gratidão a Deus. Deve produzir um conteúdo excelente para adoração, instrução e conversão de pecadores ao Deus Eterno.

A música que frutifica de modo excelente, atrai pessoas ao Senhor e as integra na família da fé. É um poderoso instrumento de evangelização e compartilhamento das bênçãos concedidas por Deus ao seu povo. Diante de todos os povos, podemos cantar a boa música: “Exultai no Senhor toda a terra; exclamai e alegrai-vos de prazer, e cantai louvores.” (SALMOS 98:4)

A música pode gerar alegria e novidade de vida, a exemplo daquilo que aconteceu com o filho pródigo. Ao regressar para seu lar, segundo a parábola proferida por Jesus, foi recebido com música festiva. Essa mesma música, ouvida pelo rancoroso irmão mais velho, produziu indignação, inveja e segregação em seu coração mal (LUCAS 15:25-32).

Música que produz bons frutos deve ser a música que produzimos para o culto ao Senhor e para a vivência em sociedade. A música que frutifica deve ser um alvo perseguido por nossa Igreja em sua caminhada neste mundo!

 

Pr. Tarcísio F. Guimarães

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *