Merecem confiança os livros apócrifos?

MERECEM CONFIANÇA OS LIVROS APÓCRIFOS?

PROVÉRBIOS 30:5,6

INTRODUÇÃO

Confirmo aquilo que disse dias atrás acerca da necessidade de darmos respostas convincentes às pessoas. Não basta apenas dizer que se crê ou não em determinada questão. Nossas respostas precisam ter embasamento bíblico e muitas vezes histórico. Hoje, quero pensar sobre uma questão que, para muitos, ainda é um tanto obscura. Afinal, qual a diferença entre as versões católicas e protestantes da bíblia? Por que nossas versões não possuem 7 livros que estão nas versões católicas? Talvez, muitos já se viram diante de perguntas como esta e não souberam responder satisfatoriamente. Não porque não tenham suas convicções, mas porque lhes faltam argumentos bem fundamentados para que as respostas sejam satisfatórias. O meu desejo é, de alguma maneira, contribuir para que essas dúvidas possam de alguma maneira, serem dirimidas.

TRANSIÇÃO

O texto de provérbios não deixa dúvida quanto ao perigo de acrescentar quaisquer coisas às escrituras. Os livros apócrifos, pois é este o nome mais comumente usado para identificar os 7 livros que estão nas versões da bíblia católica, são na verdade acréscimos que foram introduzidos na bíblia com o objetivo de combater a verdade. A partir de agora, iremos dar um pequeno passeio pela história e obter, com a ajuda do Santo Espírito, um entendimento mais profundo acerca desses livros.

APÓCRIFOS, O QUE SIGNIFICA?

No grego clássico, a palavra apocrypha significava “oculto” ou “difícil de entender”. Na época de Irineu e de Jerônimo (séculos III e IV), o termo apocrypha veio a ser aplicado aos livros não canônicos do Antigo Testamento. A palavra “Canônico” vem de do hebraico “qanêh” e do grego “Kanon” significando colocar na lista ou vara de medir. Então, os livros canônicos foram “medidos” e “colocados na lista” dos livros aceitos pelos judeus e posteriormente, pela igreja.

QUANTOS E QUAIS SÃO?

Dezenas de livros apócrifos foram escritos tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento, mas os mais conhecidos são justamente aqueles que foram acrescidos a versão católica: ADIÇÕES EM DANIEL (ou nomeadamente os episódios do Salmo de Azarias e o cântico dos três jovens, a História de Susana e, Bel e o dragão) ADIÇÕES EM ESTER , BARUQUE, ECLESIÁSTICO, JUDITE, I MACABEUS, II MACABEUS, TOBIAS, E SABEDORIA DE SALOMÃO.

QUANDO FORAM ESCRITOS?

Foram escritos no período chamado inter-bíblico, os 400 anos de silêncio profético compreendido entre o último profeta do A.T, Malaquias e o primeiro do N.T, João Batista. Neste período se levantaram três grandes impérios. O Medo- Persa, o Grego e o Romano, sendo que, na divisão do império grego depois da morte de Alexandre, o A.T foi traduzido do hebraico para o grego dando origem a versão dos 70 ou, Septuaginta. Isso por que Ptolomeu Filadelfo, um dos generais de Alexandre, o grande, quis ter em Alexandria, uma versão da bíblia hebraica em língua grega. Então, ele mandou buscar 72 sábios judeus que traduziram a bíblia do hebraico para o grego, dando origem a referida versão. Os apócrifos também foram traduzidos, embora sua canonicidade tenha sido questionada pelos judeus e pela igreja.

POR QUE ELES FAZEM PARTE DA VERSÃO CATÓLICA E NÃO DA VERSÃO PROTESTANTE?

Em 1222, no concílio de Tolosa, a igreja decidiu privar os leigos da leitura da bíblia. Apenas o alto clero poderia ter acesso à mesma e ensiná-la ao povo. Com isso, paulatinamente, alguns ensinos contraditórios e reprovados pelas escrituras, começaram a ganhar corpo dentro do romanismo tais como: Purgatório; oração pelos mortos; indulgências; salvação pelas obras etc. Martinho Lutero, um frade Beneditino, se converte ao ler a bíblia e se revolta contra os abusos da igreja. Escreve então as suas famosas 95 teses e as cola na catedral de Wittemberg. Pronto! Estava aceso o estopim da Reforma Protestante, a maior revolução social de toda a história. A partir daí, a bíblia começaria a voltar para as mãos do povo. O mesmo Lutero se encarregou de traduzir o N.T do latim para o alemão e com isso, devolveu a bíblia aos “leigos”. Por isso, no dia 8 de Abril de 1546, no Concílio de Trento, a igreja romana decidiu “ANEXAR” os livros apócrifos em sua versão, originando o movimento da Contra-Reforma e em 1592, o papa Clemente VIII autorizou a primeira edição da bíblia católica com os apócrifos.O objetivo, era dar justificativas plausíveis para os ensinos católicos que se faziam e ainda fazem-se presentes somente nos  livros apócrifos. Após 1629, os protestantes retiraram definitivamente os apócrifos de suas versões, devido as suas discrepâncias com as demais escrituras e discordância sobre a sua inspiração e canonicidade.

POR QUE REJEITAMOS OS APÓCRIFOS?

Abaixo, vamos listar algumas razões por que nós, protestantes, não reconhecemos os apócrifos como livros inspirados.

1)      Nem Jesus e nenhum dos escritores do N.T citaram uma única vez, qualquer texto apócrifo nas 295 citações bíblicas do N.T.

2)      Foram escritos no período inter-bíblico, quando não houve nenhum profeta enviado por Deus .  I Macabeus (100 a.C). Vejamos alguns textos do Primeiro livro de Macabeus que comprovam isso:

“Demoliram-no, pois, e depuseram as pedras sobre o monte da Morada conveniente, à espera que viesse algum profeta e se pronunciasse a respeito” (l Mac 4.45-46).

“Israel caiu numa tribulação tão grande, como nunca tinha havido, desde que os profetas desapareceram.”  (I Mac 9.27;)

 ”Os sacerdotes e os judeus resolveram, portanto, considerar Simão como governante e como sumo sacerdote para sempre, até que surgisse um profeta legítimo” ( I Mac 14:41)

Não há dúvidas, portanto, de que naquela época, nenhum profeta veio, da parte de Deus, trazendo uma mensagem ao povo.

3) Os Judeus não aceitaram os livros apócrifos como inspirados, embora os considere  como históricos. Embora sejam citados no Talmude, seu N.T é idêntico ao nosso, ou seja, 39 livros.

4) Estão cheios de erros geográficos, históricos e repletos de heresias.

5) A maioria dos pais da igreja não reconheceram sua inspiração . Até mesmo Jerônimo, o tradutor da Vulgata (versão católica), os rejeitou. Os cardeais Ximenes em 1514 e Caetano, opositor de Lutero, também não os aceitaram como canônicos.

6) Sua teologia é incompatível com a teologia bíblica.

 

HERESIAS DOS APÓCRIFOS

TOBIAS – (200 a.C.) – É uma história novelística sobre a bondade de Tobiel (pai de Tobias) e alguns milagres preparados pelo anjo Rafael.
Apresenta:

  • JUSTIFICAÇÃO PELAS OBRAS – 4.7-10; 12.8.  LEIA ( Rm 5:1)
    • MEDIAÇÃO DOS SANTOS – 12.12  LEIA (I Tm 2:5)
  • FEITIÇARIA – 6.8  LEIA ( DT 18:10)
  • UM ANJO ENGANA TOBIAS E O ENSINA A MENTIR – 5.16 – 19 LEIA (Jo 8:44)

ALGUNS EXEMPLOS:

TOBIAS 4: 7- 10 / 12:9 (JUSTIFICAÇÃO PELAS OBRAS)

7. Dê esmolas daquilo que você possui, e não seja mesquinho. Se você vê um pobre, não desvie o rosto, e Deus não afastará seu rosto de você.

8. Que sua esmola seja proporcional aos bens que você possui: se você tem muito, dê muito; se você tem pouco, não tenha receio de dar conforme esse pouco.

9. Assim você estará guardando um tesouro para o dia da necessidade,

10. pois a esmola livra da morte e não deixa cair nas trevas.

TOBIAS 12:9

9. A esmola livra da morte e purifica de todo pecado. Quem pratica esmola, terá vida longa  LEIA ( I JOÃO 1:7-9 / JOÃO 3:36)

TOBIAS 12:12 (INTERCESSÃO DOS SANTOS)

12. Quando você e Sara rezavam, era eu (O anjo Rafael) quem apresentava o memorial da súplica de vocês diante do Senhor glorioso. A mesma coisa eu fazia quando você sepultava os mortos. LEIA ( HEBREUS 7:25 / ROMANOS 8:34 / I TIMÓTEO 2:5)

 

JUDITE – (150 a.C.) É a história de uma heroína viúva e formosa que salva sua cidade enganando um general inimigo e decapitando-o. Grande heresia é a própria história onde os fins justificam os meios. Ensina atos imorais em  9:10-13

BARUQUE – (100 a.D.) – Apresenta-se como sendo escrito por Baruque, o cronista do profeta Jeremias, numa exortação aos judeus quando da destruição de Jerusalém. Mas é de data muito posterior, quando da segunda destruição de Jerusalém, no pós-Cristo.Traz, entre outras coisas, a intercessão pelos mortos – 3.4

BARUQUE 3:4

4. Senhor todo-poderoso, Deus de Israel, ouve as preces daqueles que já estão mortos em Israel e as súplicas dos filhos daqueles que pecaram contra ti: eles desobedeceram ao Senhor seu Deus, e nós somos perseguidos pelas desgraças. LEIA  ( ECLESIASTES 9:5-8 / ROMANOS 14:12)

ECLESIÁSTICO(180 a.C.) – É muito semelhante ao livro de Provérbios, não fosse as tantas heresias:

  • JUSTIFICAÇÃO PELAS OBRAS – 3.33, 34.  LEIA (Rm 8: 33)
  • TRATO CRUEL AOS ESCRAVOS – 33.26- 29; 42.1 e 5.  LEIA (Rm 2:11)

ECLESIÁSTICO 33:26-29

26. Faça o seu escravo trabalhar com disciplina, e você encontrará sossego. Deixe-o com as mãos livres, e ele procurará a liberdade.

27. Jugo e rédea dobram o pescoço; torturas e interrogatório dobram o mau escravo.

28. Mande-o trabalhar, para que não fique ocioso, porque a ociosidade ensina muitos males.

29. Obrigue-o ao trabalho que compete a ele; e se não obedecer, prenda-o em correntes.

LEIA (COLOSSENSES 3:10,11 / FILEMOM 1:10-16)

SABEDORIA DE SALOMÃO – (40 a.D.) – Livro escrito com finalidade exclusiva de lutar contra a incredulidade e idolatria do epicurismo (filosofia grega na era Cristã). Apresenta:

  • O CORPO COMO PRISÃO DA ALMA – 9.15 /  LEIA (Gn 35:18)
  • DOUTRINA ESTRANHA SOBRE A ORIGEM E O DESTINO DA ALMA 8.19 e 20
  •  SALVAÇÃO PELA SABEDORIA – 9.19  LEIA (Efésios 2:8-9)

I E II MACABEUS (100 a.C.) – Descreve a história de três irmãos da família “Macabeus”, que no chamado período interbíblico (400 a.C. – 3 a.D) lutam contra inimigos dos judeus visando a preservação do seu povo e terra. Está cheio de lendas e prodígios de Judas Macabeu. Apresenta:

  • A ORAÇÃO PELOS MORTOS – 12.44 – 46  LEIA (Ecl. 9 : 5-8)
  • CULTO E MISSA PELOS MORTOS – 12.43  (ídem)
  •  O PRÓPRIO AUTOR NÃO SE JULGA INSPIRADO – 15.37-39; 2.25-27.    LEIA (II Pd 1:21)
  •  INTERCESSÃO PELOS SANTOS – 7.28 e 15.1  LEIA (Hb 7:25 / Rm 8:34)

II MACABEUS 15: 37-39

37. Assim terminou a história de Nicanor. A partir desse tempo, a cidade passou a ser governada pelos hebreus. Por isso, aqui encerro a minha narrativa.

38. Se ficou boa e literariamente agradável, era o que eu queria. Se está fraca e medíocre, é o que fui capaz de fazer.

39. É desagradável beber só vinho ou só água, ao passo que vinho misturado com água é agradável e gostoso. O mesmo acontece numa obra literária, onde o tempero do estilo é um prazer para o ouvido do leitor. E assim termino

Na Bíblia, o jargão dos verdadeiros profetas era: _ ASSIM DIZ O SENHOR! Deus nunca pediu desculpas e muito menos, os seus profetas.

 

ADIÇÕES A DANIEL:
CAPÍTULO 13 – A história de Suzana – segundo esta lenda, Daniel salva Suzana num julgamento fictício baseado em falsos testemunhos. (Êxodo 20:16)

CAPÍTULO 14 – Bel e o Dragão – Contém histórias sobre a necessidade da idolatria. A história é totalmente fictícia incluindo a do profeta Habacuque.

CAPÍTULO 3.24-90 – O cântico dos três jovens na fornalha.

CONCLUSÃO

Como vimos, os livros apócrifos são totalmente incongruentes com o restante das escrituras. A verdadeira palavra de Deus contém apenas 66 livros que foram escritos por 40 autores num período de 1500 anos. Em cada livro, podemos ver a beleza e o toque de Deus em cada versículo, capítulo ou livro. Fiquemos com a verdade. Ela sempre será combatida e perseguida, mas no final, triunfará. Glória ao Verbo vivo!

Pr. Alexsandro Oliveira 

2 thoughts on “Merecem confiança os livros apócrifos?

Deixe uma resposta