POR QUE REPROVAMOS O CARNAVAL?

POR QUE REPROVAMOS O CARNAVAL?

A palavra CARNAVAL tem origem no latim: “carnem levare” ou “carnes levale”. Destas expressões, originaram-se “carne vale”. Estas palavras significam “adeus carne” ou “retirar a carne”. Os dicionários definem CARNAVAL como “Festejos que precedem a quarta-feira de cinzas, os quais têm a duração de três dias; entrudo; folia; barulho; confusão” (ADBS, p. 331) e “Período de três dias de folia que precede a quarta-feira de cinzas; confusão; desordem” (MICHAELIS, p. 150).
As origens do CARNAVAL estão entre povos antigos, nos cultos em louvor a Baco e Saturno. Na Europa, seu surgimento está datado entre os séculos XI e XII, vindo a ser adaptado pela Igreja Católica como a despedida da carne anterior à quaresma, período no qual Roma estimula seus fiéis a praticarem a abstenção da carne a partir da quarta-feira de cinzas.
Desde o século XVI, existia no Brasil o entrudo herdado da cultura portuguesa. O primeiro CARNAVAL registrado no Brasil aconteceu no Rio de Janeiro, em 22 de janeiro de 1841, no Hotel Itália, onde está a Praça Tiradentes. O CARNAVAL no Brasil tem influências européias e africanas, marcado por mistura de ritmos e extrema sensualidade. É o principal evento do calendário turístico e da propaganda realizada em todo o mundo para atrair turistas ao Brasil.
À luz de GÁLATAS 5:16-25, I CORÍNTIOS 6:18-20 e I JOÃO 2:15-17, podemos explicar a rejeição dos cristãos evangélicos ao CARNAVAL:
• Porque o CARNAVAL estimula a licenciosidade e o turismo sexual;
• Porque o CARNAVAL estimula o consumismo;
• Porque o CARNAVAL estimula a criminalidade;
• Porque o CARNAVAL estimula a propagação da música imoral;
• Porque o CARNAVAL estimula a religiosidade artificial.

Ao lermos ROMANOS 8:5-10 e EFÉSIOS 5:1-12, concluimos que, em dias de CARNAVAL, podemos:
• Orar pela libertação espiritual do nosso povo;
• Evangelizar em qualquer lugar e não, necessariamente, no circuito do CARNAVAL;
• Fortalecer nossa fé em Cristo e os laços de comunhão com a Igreja participando de um ACAMPAMENTO;
• Rejeitar qualquer participação cristã no circuito do CARNAVAL.

Pr. Tarcísio F. Guimarães

Deixe uma resposta