MAIORIDADE MINISTERIAL

MAIORIDADE MINISTERIAL

 

No dia 16 de março de 2020 completarei 18 anos desde que fui ordenado ao Ministério Pastoral, após aprovação em exame realizado por um Concílio de 23 pastores batistas. Fui ordenado para assumir a Igreja Batista Nova Alvorada, em Feira de Santana, Bahia. Nesta Igreja, servi como pastor titular de 30 de março de 2002, data em que foi organizada, até 12 de julho de 2009. Do dia 25 de julho de 2009 até os dias atuais, tenho servido como pastor titular da Primeira Igreja Batista em Divinópolis. Vitória nas lutas e aprendizado nos desafios têm me acompanhado, os quais compartilho alegremente para edificação do povo de Deus.

Dou graças a Deus pelo sustento diário providenciado por Ele mesmo. A Igreja pertence ao Senhor que a criou e sustenta em todas as épocas. Nestes 18 anos de exercício do Ministério Pastoral, tenho considerado a pregação fiel do Evangelho e a dependência de Deus em oração como suficientes para sustentar o rebanho do Senhor. As Igrejas que tenho liderado deste modo, têm experimentado crescimento contínuo.

Tenho mantido larga distância de movimentos religiosos estranhos à Palavra de Deus. A Igreja de Deus possui um Manual inerrante, que é a Bíblia Sagrada. Nenhum homem ou organização, por mais bem intencionados que se apresentem, terão ideias melhores que aquelas reveladas pelo próprio Deus, ou respostas pessoais aos problemas enfrentados pela Igreja que sejam mais confiáveis do que os caminhos apresentados pela Palavra de Deus.

Entendo que a Igreja não é minha propriedade, pois, pertence ao seu fundador e guia, o Sumo Pastor de ovelhas, Jesus Cristo. Sou apenas um servo de Cristo a serviço de outros servos dele. Devo respeitar as decisões da Igreja, reconhecendo que todos os seus membros são habitados e dirigidos pelo Santo Espírito. Cada membro da Igreja que lidero prestará contas a Deus daquilo que tem feito. Dividiremos sempre as alegrias e preocupações, num ambiente de governo congregacional. Se um pastor não tem convicções batistas, a meu ver, viverá frustrado em nosso modelo de governo.

Em cada ministério tenho sido abençoado por Deus com a amizade de pastores e líderes, sem o apoio dos quais o meu trabalho seria precário. Aqui está um alvo a ser alcançado por todos os pastores: desfrutar de um ambiente de amor, sinceridade e respeito mútuos. Sou imensamente grato a Deus porque tenho pastoreado Igrejas povoadas por líderes íntegros e tenho participado de equipes ministeriais formadas por obreiros mais capazes do que eu, com os quais aprendo e nos quais me inspiro.

Tenho visto a cada dia que a boa conduta moral do pastor é um testemunho irrefutável acerca do poder do Evangelho que anunciamos. Um escândalo provocado pelo líder, pode destruir anos de trabalho árduo, decepcionar irmãos queridos e manchar a história de uma Igreja, por isso, o cuidado com a vida pessoal deve ser priorizado pelo pastor. Seu relacionamento com Deus, com sua esposa, com seus filhos e com a sociedade deve ser cuidado a cada dia.

A maioridade ministerial chegou para mim mas, como todo filho sensato faz, não quero ser autônomo. Preciso continuar ouvindo o Pai com atenção. É o meu plano e anseio sincero para os próximos capítulos da história de trabalho na “excelente obra” (I Timóteo 3:1).

                                                                                                     

 Pr. Tarcísio F. Guimarães

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *