QUEM LUCRA COM O CARNAVAL?

QUEM LUCRA COM O CARNAVAL?

 

    Notícias recentes apontam os elevados gastos que os governos autorizaram para montagem da infra-estrutura do carnaval por todo o Brasil, mesmo num contexto de penúria generalizada. O Ministério Público tem recomendado veementemente que sejam diminuídos ou extinguidos os gastos públicos com o carnaval. A Polícia já se prepara para receber as pessoas que serão presas no circuito carnavalesco e em algumas cidades até conta com o apoio do Exército e da Marinha. As Secretarias de Saúde estão em alerta diante do risco de proliferação das doenças infecto-contagiosas, sexualmente transmissíveis e outras decorrentes de acidentes. Nas rodovias monta-se operação especial para impedir a livre circulação das drogas que abastecerão as ruas nos dias de carnaval. Os “bafômetros” estão preparados para a constatação de muitos casos de embriaguez ao volante nas principais rodovias do país.

Quem lucra com a realização do carnaval? Certamente não é o catador de latinhas acompanhante da massa eufórica, que vai tão somente continuar sua “via crucis” de miséria, subemprego e insegurança social. Não creio que o lucro fique com os barraqueiros, que perderão horas com bêbados indesejáveis em seus estabelecimentos. As prostitutas perderão mais um pouco de dignidade. Alguns pais perderão seus filhos para a violência inflamada pelos sons do carnaval. Alguns filhos perderão a inocência roubada pela sexualidade desregrada, tão celebrada nas letras das músicas de carnaval. Outros perderão o controle com os gastos impostos ao folião, e muitos outros perderão completamente o temor a Deus, ao vestirem a fantasia que esconde o rosto e faz surgir um ser sem regras a cumprir. Até mesmo a feitiçaria e a idolatria serão festejadas como manifestações naturais da cultura popular.

Não é o nosso povo que lucra com a realização do carnaval. Lucra com o carnaval a indústria do entretenimento e sua tentativa de provar que viver é satisfazer sempre o prazer particular, de modo imediato e inconsequente. Lucra a grande indústria do vício, patrocinadora fiel do carnaval, festa que turbina a venda de bebidas alcoólicas e entorpecentes. Lucra a grande mídia pornográfica, que vive de toda sorte de apelação à sexualidade. Lucram as empresas responsáveis pela profissionalização do carnaval, a exemplo de gravadoras e agências de publicidade. Ou seja, ganha dinheiro quem já tem muito dinheiro, a despeito de toda criminalidade, imoralidade e irracionalidade que vão atrás do trio elétrico.

Ao contrário daquilo que é divulgado abertamente, o carnaval não é a festa do povo, feita de alegria e descontração. O carnaval é, antes de tudo, a festa que separa ricos e pobres ao longo das cordas de blocos elitizados. Longe de ser um divulgador da nossa cultura, é um meio de empobrecer a tão deficiente formação educacional do nosso povo, com letras de músicas mal escritas e exaltação de artistas com péssima formação intelectual. É a festa do pecado, inadequada àquele que já foi regenerado por Cristo, diante da qual devemos manter firme reprovação e atitude de oração em prol daqueles que caminham embalados em seus acordes infernais.

Nestes dias de grande tristeza, perguntemos a quem nos cerca sobre o lucro do carnaval e apresentemos o verdadeiro ganho nesta vida, que é conhecer Cristo e servi-lo com alegria. Sejamos “filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo” (FILIPENSES 2:15).

 

 

Pr. Tarcísio Farias Guimarães

2 thoughts on “QUEM LUCRA COM O CARNAVAL?

  • Pastor Tarcísio
    Seu artigo é bom.
    Agora, eu acrescento a indústria das camisinhas que também ganha com o carnaval, pois o governo adquiriu 77 milhões de camisinhas no carnaval passado e as distribui para o país inteiro.
    Sou contra o carnaval e esse estímulo à promiscuidade. Mas o que mais me entristece é que os cristãos, em grande parte, se conformam com isso, até achando que o governo deve fazer isso mesmo, ou seja, distribuir camisinhas, sendo que tem uma receita infalível contra as DSTs e a gravidez indesejada, que é a abstinência do solteiro e a fidelidade do casado.
    Alguém pode até dizer que o Estado é Laico e se opor a isso. Mas eu discordo da opinião, pois não precisamos rotular essa receita como religiosa, pois atinge o alvo, e se fosse assim o governo também não poderia usar a campanha contra os acidentes de trânsito que diz o seguinte: “Álcool e direção não combinam. É crime”, pois fica na mesma linha da sugestão que dei acima.
    A promiscuidade embrutece os seres humanos. Vejam só o que acontece em nossos estádios de futebol, essas brigas, essa selvageria, bem como nos presídios, além dos 60 mil assassinatos anuais.
    Então, vamos combater também esse estímulo à promiscuidade.
    Ainda digo que em nossa cidade (Campo Grande, MS), fizemos um documento ao prefeito solicitando para que não desse dinheiro para o carnaval, no qual fomos atendidos.
    Então, como cristãos temos muitas contribuições a dar à nossa sociedade, e não nos preocupar apenas com a igreja.

    • Carlos Osmar Trapp,

      Boa contribuição para a discussão da questão. De fato, não foi possível citar todos os descaminhos da estrutura carnavalesca e mais esse exemplo confirma aquilo que foi escrito.

      Em Cristo,

      Pr. Tarcísio Farias Guimarães

Deixe uma resposta